Putaria a quatro

Eram aproximadamente cinco da manhã quando fui acordado pelo interfone que chamava. Ainda bêbado de sono fui atender e era uma puta profissional que vez por outra vem aqui em casa. Quando subiu não era só ela, mas quatro ao todo. Duas delas eu já conhecia, mas outras duas não. “-Daí meu querido, como vai? Estávamos num bar aqui perto e quando saímos resolvi passar pra te ver.” Com puta não se pode marcar horário. Seja lá que dia ou hora você marcar elas nunca comparecem, mas surgem assim de surpresa a qualquer momento. “-Tu não te importas que a gente passe a noite aqui, né?” “-Noite? Que noite? Se tu quis dizer dormir, não tem problema algum.” Das duas que não conhecia, uma não era lá essas coisas todas, mas a outra, uma branquinha loirinha, era totalmente deliciosa. Corpo fantástico, bunda de bom tamanho e tetinhas pequenas. Acordei de vez.

As quatro sentaram na sala de estar e ofereci um café a elas, mas só uma aceitou. As outras queriam cerveja e, como eu não tinha, uma delas foi ao posto de gasolina comprar. Segui para a cozinha e comecei a preparar o café.

De volta à sala com dois canecos fumegantes, entreguei um à putinha e sentei-me com o meu. A conversa seguia animada quando a putinha que saiu para comprar cerveja voltou. Era justamente a loirinha deliciosa de quem eu tinha gostado. Fomos juntos à cozinha para pegar copos e ficamos conversando lá. “- Tu mora nesse apartamento sozinho?” “- Moro sim!” “- Que desperdício…” e me olhou com um ar safado. Você pode estar pensando que o mínimo que eu deveria fazer era convidá-la para ocupar o espaço em excesso, mas eu não sou louco nem nada. Apenas fiz de conta que não ouvi. No meio do nosso bate-papo na cozinha elogiei suas tetinhas. “- Tu gosta de tetas pequenas? ” e baixou a blusa expondo uma delas. Perfeita! Com bico cor-de-rosa claro e tamanho certo para caber toda dentro da minha boca. Tetinha maravilhosa! “- Será que é macia como está parecendo?” “- Experimente!” Peguei naquela tetinha fuderosa e senti a maciez dela na minha mão. Fantástica teta! Nesse momento aparece na cozinha uma das outras putas que eu não conhecia e me flagrou com a boca na botija, ou melhor, com a mão na teta. “- Já começaram com a putaria?” E deu meia-volta, indo para a sala.

Voltamos para a sala também e ficamos todos conversando. Duas delas estavam mais para sonolentas, enquanto que as outras duas, incluino a loirinha, estavam acesas. Essas duas, a loirinha e uma negra, estavam num fogo absurdo. A negra falava a toda hora para a loirinha: “- Hoje eu vou te pegar, hoje você não me escapa.” Levantava a saia, afastava a calcinha pro lado, mostrando a buceta pra loirinha e dizendo: “- Quero tua boca aqui…” Eu no meio disso tudo já não me agüentava mais, com o pau em fogo e duro. Sentia a cabeça já ficando molhada pelo tesão de ver e ouvir uma falar putaria pra outra. A negra, que eu já conhecia e sabia que gostava de putinhas, era a mais safada. A loirinha só sorria e ficava calada.

Depois de mais meia hora de papo furado, as duas sonolentas resolveram dormir. “- Meu amor, podemos dormir na tua cama?” “- Mas claro! Podem ir deitar.” Assim que as duas se acomodaram na cama, a negra me pediu duas toalhas porque queria tomar banho com a loirinha para “- Ficarmos cheirosinhas antes de transar.” Peguei duas toalhas e entreguei para elas, que se dirigiram ao banheiro. Antes que a loirinha chegasse ao banheiro, segurei-a e disse: “- Já que tu não toma banho de roupa, como todo mundo, vou tirar tua roupa porque adoro despir puta.” Tirei a blusa dela bem devagar, que estava sem soutien, expondo as duas tetinhas lindas com biquinhos cor-de-rosa. Aquelas tetas eram mesmo perfeitas! Abri o botão e o ziper da calça jeans dela e, antes que pudesse baixá-la, ela virou de costas empinando a bunda gostosa. Aquilo era muita provocação… Baixei o jeans também devagar e a bunda bem feita foi aparecendo aos poucos. Uma loucura! Agora ela estava só de calcinha fio-dental. O corpo da puta era um absurdo. Tudo no lugar certo. Caralho! Por fim, tirei a calcinha minúscula e a sua buceta pelada se apresentou a mim. Coisa linda! “- Vamos logo tomar banho que eu tô louca pra te agarrar!” falou a negra que também era muito gostosa, mas a loirinha me enfeitiçou com seu corpo absurdo e tetas perfeitas.

Elas entraram no banheiro e eu, claro, fui junto. No banheiro, a negra, já nua, ajoelhou-se e meteu a língua na buceta da loirinha. Estava assim desse jeito quando eu disse “- Minha querida, vamos fazer isso de uma forma melhor.” E peguei a loirinha pela cintura, sentando-a na pia. Abri as pernas dela e ordenei à negra: “- Agora chupa!” A vadia caiu de boca, tirando gemidos da loirinha. Eu em pé, segurava uma coxa dela e com a outra mão acariciava suas tetas. Beijei seu pescoço suavemente, chupei suas tetinhas e ela ficou mais doida ainda, gemendo mais. Estávamos nessa putaria de perder o juízo quando a negra levantou e me disse: “- Meu amor, vamos tomar banho agora para podermos terminar isso num lugar mais confortável.” Desci a loirinha da pia e preferi não tomar banho com elas. Queria fazer essa putaria durar o máximo possível.

Aguardava na sala o fim do banho das duas vadias, quando elas apareceram enroladas nas toalhas. A negra sentou numa das poltronas depois de tirar a toalha e colocar no assento. A loirinha sentou ao lado dela e começaram numa beijação que era uma coisa de endoidecer. Se beijavam com tesão e acariciavam as tetas uma da outra. A uma certa altura a loirinha subiu na poltrona onde a negra estava e, de pé no assento e com a negra no meio das suas pernas, ofereceu a buceta para ela chupar. Caralho, que coisa deliciosa! Eu olhando, sentado do outro lado da sala, com o pau rijo e molhado, não aguentei mais. Caminhei até as duas, me ajoelhei em frente à negra e meti a boca na buceta greluda. Já tinha chupado uma vez a buceta dela, mas não lembrava que ela era tão greluda. Estava num puteiro e coloquei ela em cima de uma mesa e caí de boca na buceta dela. Com aquele grelo gostoso de chupar, caprichei e a vadia começou a gemer. Ela se contorcia e o grelo não parava quieto na minha boca, mas como bom caçador de grelos, ia onde quer que ele fosse e o mantinha sempre na boca, chupando enlouquecidamente. A loirinha resolveu mudar de posição e ajoelhou numa poltrona, metendo a boca na buceta greluda da negra. Ficou de quatro para fazer isso e eu aproveitei para levantar e ficar olhando o corpo maravilhoso dela, com a bunda empinada. Segurei na bunda, acariciei e dei umas palmadas. Eu batia e ela pedia: “- Isso, bate que eu gosto, me maltrata que eu mereço.” Aquilo estava demais! O tesão me consumia e fui por trás dela, vendo aquela bunda maravilhosa na minha frente. Abri as bandas e pude ver o cuzinho no meio. Não tive dúvida: meti a língua. Lambia aquele cu com tesão, endurecia a língua e tentava enfiar ela no buraco, sentindo a pressão do esfíncter. Lambi muito o cu dela, mordi as bandas, dei palmadas e meti a língua de novo no cu arrombado. Ela contorcia a bunda, gemia e pedia mais, sem desgrudar da negra bucetuda, que por sua vez também gemia com a chupada da loirinha gostosa.

Como tinha muita putaria para pouca poltrona, chamei-as para o escritório. As duas deitaram no sofá-cama e foi a vez da negra voltar a chupar a buceta da loirinha, que estava deitada de costas. A negra chupando, oferecia o bundão pro céu. Caí de boca no cu da negra. Era a vez de dar à vadia negra o tratamento que dei ao cu da vagabunda loira. O cu da negra era mais arrombadaço e minha língua entrava mais fácil. Parecia mesmo que iria conseguir enfiar a língua toda no cu da puta. A ponta da língua entrava na boa e eu dava palmadas na bunda da vadia, louco de tesão. Com a língua doída de tanto enfiar no cu da puta, ajoelhei-me ao lado da loirinha e chupei suas tetinhas perfeitas. Chupava as tetas e subia até o pescoço, beijando e acariciando com os lábios. Voltava para as tetas, quando ela segurou a minha cabeça e foi empurrando gentilmente para baixo. Fui descendo e beijando por onde passava, parando na barriguinha para fazer o que gosto muito: morder. Mas a vadia não estava interessada em mordida e continuava empurrando a minha cabeça até que cheguei na buceta, onde a negra estava ocupada. Meti a língua no grelo e compartilhamos aquela buceta pelada e branquinha. Nossas línguas se tocavam, se lambiam, enquanto dávamos nossa atenção àquela buceta tesuda. A loirinha, chupada por nós dois, alucinou de vez e, sem largar da minha cabeça, gemia alto. “- Continua, continua que isso tá bom demais! Eu quero os dois chupando minha buceta, eu quero gozar nessas duas bocas, quero me acabar toda!” Aceleramos a chupada e lambida até que a loirinha se tremelicou toda num gozo forte. A putaria estava braba e muito boa, mas até aquele momento meu pau estava esquecido pelas duas, que pareceiam só pensar uma na outra. E eu me importo?

A negra mudou de posição, ficando no lugar da loirinha quando eu disse “- Quero ver vocês se roçando. Esfregando buça na buça!” E me ofereci para ajeitar as duas. Coloquei uma das coxas da loirinha por cima da coxa da negra e a outra por baixo. Segurei na bunda da loirinha e, antes de encaixar ela na negra, falei: “- Deixa ver se vocês estão preparadas…” E passei a mão na buceta de uma e da outra para verificar se estavam molhadas o suficiente para a esfregação de buças. Estavam as duas molhadíssimas! Encaixei elas bem direitinho e elas começaram a se roçar. Eu segurava na cintura da loirinha e ajudava, empurrando ela mais de encontro à negra. As duas gemiam e os movimentos depois de um tempo começaram a acelerar. Eu não desgrudava da cintura da puta branquinha: “- Esfrega porra! Quero ver vocês se esfregando até gozar! Quero ver uma se acabando na buçanhona da outra!” E empurrava e ajudava a loirinha na esfregação. A primeira a gozar foi a negra. Gemeu forte se contraindo e se acabou agarrando a loirinha. A esfregação continuava e foi a vez da loirinha gozar de novo. Quando senti que ela estava no meio do gôzo, abracei-a fortemente falando ao seu ouvido depois: “- Gostosa! Você geme muito gostoso! Adorei te ver gozando…” As duas se deitaram exaustas, ofegantes e eu sentei numa cadeira em frente a elas, com o pau pingando, duro como um jacarandá.

Depois que elas se acalmaram, a negra me disse “- Vem cá que a gente vai dar uma chupada dupla no teu pau.” Não esperei um segundo convite e deitei no sofá-cama. As duas caíram de boca no meu caralho latejante e babado, lambendo ele de cima a baixo, chupando a cabeça, chupando as bolas e eu alucinado gritava: “- Chupa esse caralho suas vadias! Chupa o meu cacete! Enfia essa porra na garganta!” Foi quando a loirinha começou a bater um punhetão pra mim e a negra lambia a cabeça do meu cacete doido. Era demais pra mim, não agüentava mais. “- Tô gozando porra! Aaaaaahhhh! Toma minha porra na cara vagabunda!” Esporrei com a mão da loirinha segurando meu pau, melecando a língua e o rosto da negra. Que gôzo fudido de bom!

Fiquei ali deitado e abraçado com as duas, pensando que era a primeira vez que fudia com duas putas de cara. Todas as vezes que aconteceu antes eu estava embriagado e não aproveitei como naquele dia. Isso foi pouco antes de eu viajar para Salvador, onde estou até hoje e não vejo a hora de voltar pra casa para repetir a dose com essas duas putas gostosas. Foi um verdadeiro café-com-leite pela manhã.

Obrigado pela visita e divirta-se!

15 ideias sobre “Putaria a quatro

  1. Carolina vc faz o meu tipo gostaria muito em ti conhcer p/
    nos trocamos umas deliciosas chupadas ater goasmos bem gostoso meu fon:24317236

  2. noossa esses peitos gostosos , eu xupo at?© o caro?§o , essa tua boceta deve ser uma delicia , deve ser rosinha meio roxiada ,
    xupo at?© o grelinho , vc ?© muito v??dia , sua desgra?§ada, se eu te pega eu te dexo vc lokinha , sua puta do caralho , eu to molhadinha j?? porra , seus peitos s??o deliciosos , eu kero enfiar minha lingu?? no seu cuzinho , esse c?? gostoso em :P , enfia uma banana ai dentro , fikei essexitada agora !

  3. Adoro tetas pequenas, mas meu fraco s??o as tetas bem grandes, de areolas grandes e de preferencia cheias de leite! Adoro mamar mulheres com leite! Apaixono facil por mulheres assim. Seu conto ?© maravilhoso, e eu me senti l?? junto com voc??s, participando da deliciosa sess??o de mamadas, punhetas, metidas e esporradas! Nota 10!
    amotetas@usa.com

  4. eu ?± tenho teta pequena mas se um dia vc mem pergaser vc iria ver o q e uma puta de verdade so gosto de putaria a 3 vc que memperga safado !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. bela bunda e seios da gata da foto, uma del?­cia mesmo… se tiver umas xoxotinhas peludinhas agrade?§o.
    ??timo trabalho amigo

  6. fiquei encantada com seu material: hist??rias, fotos videos. uma del?­cia! obrigada por compartilhar esses prazeres na net. lhe desejo muitas gozadas gostosas.

    bjs melados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>